segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Quem é o nove? por Nyelder Rodrigues (@nyelderodrigues)

Quem é o nove?

por Nyelder Rodrigues (@nyelderodrigues)



Nos últimos dias o centro-avante colorado Leandro Damião ganhou evidência. Com belos e importantes gols nos últimos jogos, o camisa 9 do Internacional passou a ser a grande pedida da torcida brasileira para a Seleção, já que Alexandro Pato, o grande indicado para “dominar” a grande área com a camisa canarinho, não vem rendendo o esperado.

A expectativa criada em torno de Damião não foge do normal. A outra opção de Mano Menezes para a posição, o tricolor Fred, passa longe de ser a solução. Nilmar, opção de muitos jornalistas e torcedores, fez suas melhores partidas na Seleção quando jogou ao lado de outro centro-avante, Luís Fabiano, mais forte e com maior presença de área.

Obviamente a convocação de Leandro Damião é válida e deve acontecer. Mas a dúvida é: ele já é o grande candidato a vestir camisa 9 da Seleção? Alexandre Pato ainda tem crédito? Será que o problema é realmente técnico ou é tático?

De pronto, respondo a primeira pergunta: ainda não. Repito: ainda não. Leandro Damião ainda não é o candidato ideal para a “9”, até por que não teve chances de mostrar isso com a camisa da própria Seleção. Mas o jogador reúne todas as características, físicas e técnicas, de um legítimo centro-avante.

Damião, com 1,87m e 84kg (contra os 1,79m e 78kg de Pato), além de alto e forte, também tem explosão, agilidade e condução de bola suficientes para que, aliados à noção de movimentação e posicionamento, consiga ter o potencial necessário para concorrer a vaga. Entretanto, Keirrison também era apontado como potencial camisa 9 canarinho, e hoje é tido como apenas mais um foguete molhado.

Outro fator que colabora para que Damião não seja ainda candidato ideal para a nove é a resposta da segunda pergunta: Pato ainda tem crédito na Seleção. Pato surgiu profissionalmente em 2006, com ainda 17 anos, e logo se transferiu para o Milan. Desde então, jogou várias vezes com a camisa amarela brasileira, e chegou ao status de “Wonder Boy” em Milão.

Hoje prestes a completar 22 anos (2 de setembro de 1989), Pato já tem bom histórico internacional no futebol, enquanto Leandro Damião, já com 22 anos (22 de julho de 1989), tem em seu currículo apenas campanhas regionais e desponta no cenário nacional apenas este ano. Por isso, o crédito de Alexandre Pato é grande, e Damião tem muito a conquistar ainda.

Quanto ao desempenho atual de Pato na Seleção, creio que não passe pela parte técnico, e sim pela parte tática. E o problema é grande. Não só Pato precisa ser mais bem posicionado, ganhando mais mobilidade, como Ganso, Neymar e Ramires também precisam ser mais bem aproveitados. Mas isso é conversa para um futuro e próximo post.

A conclusão do texto é que Damião tem potencial suficiente para um dia ainda assumir a camisa 9 canarinho, mas ainda não é ideal e precisa ser usado em um trabalho contínuo na Seleção para, ao menos, ser candidato ao lado de Alexandre Pato, que mesmo fora da posição no Milan e não jogando o esperado, tem crédito para gastar.

2 comentários:

Adriano C. Tardoque disse...

Parabéns pelo texto, Nyelder!
Abração!

Nyelder Rodrigues disse...

Valeu, professor. Abraço!