terça-feira, 6 de abril de 2010

Comparação tática, Flamengo do ano passado, do íncio desse ano e o esquema atual, parecido com Brasil de 1994.











Texto e imagens: Gustavo Roman, colaborador


Caros leitores, reparem nas fotos. Os nomes são quase os mesmos, porém há diferenças entre os posicionamentos nos 3 esquemas.



Vamos começar com o Flamengo do ano passado, Hexacampeão Brasileiro.


Andrade armava o time em um 4-3-2-1. Reparem que Aírton funcionava praticamente como um terceiro zagueiro. Maldonado cubria os avanços de Juan pela esquerda ou se posicionava de forma mais centralizada, no lugar de Aírton.

Léo Moura e Williams faziam o trabalho mais interessante. O lateral ficava mais preso a defese, enquanto o volante atuava não só quase como um meia direita, mas também cobria Léo na defesa.

Na parte ofensiva, Pet jogava mais centralizado e tinha a obrigação de municiar o único atacante, Adriano. Mas a grande sacada do treinador foi o posicionamento de Zé Roberto. Quando o time tinha a bola, ele funcionava como um segundo atacante, pela esquerda. Quando a equipe se defendia, ele virava um meia, ajudando Pet no primeiro combate.

E foi assim que o Flamengo se solidificou e venceu o Brasileirão.



Com poucas mudanças nos nomes, mas sem Zé Roberto e contando com Vágner Love, o treinador tentou não mudar muito o esquema.






Reparem que Toró(substituindo o lesionado Maldonado) atuava centralizado como terceiro zagueiro. A parceria entre Léo Moura e Williams foi repetida e teve tanto sucesso que foi feito do outro lado também, com Juan e Kléberson.
Pet seguiu sendo o responsável por municiar o ataque, mas, mal fisicamente, não rendia tudo que pode. No ataque, sem a disciplina tática de Zé Roberto, Andrade escalou Adriano como homem de referencia e Vágner Love com mais liberdade, se movimentando mais.
Esse esquema não teve uma vida longa devido a falta de cobertura no lado esquerdo da defesa, a lentidão de Pet e Toró não ter o mesmo poder de marcação de Madonado. Era hora de mudanças no esquema.






Ainda no primeiro tempo da partida contra o Tigres, Andrade se viu obrigado mais uma vez a mudar o esquema(mais uma vez o Fla perdia e jogava mal). Léo Moura e Juan voltaram a atuar praticamente como alas. Maldonado e Williams ficavam mais centralizados, protegendo as descidas dos laterais.
Kleberson foi fixado mais a direita, ajudando Léo Moura no apoio e cobrindo seus avanços. A mesma coisa faz Vinícius Pacheco do lado esquerdo(com muito mais velocidade e participação na marcação do que Petkovic).

Love continua sendo o atacante que "flutua" e Adriano o de referencia. O esquema é muito parecido com o da Seleção Brasileira de 94, treinada por Carlos Alberto Parreira. Nela, Jorginho e Leonardo depois Dunga jogavam quase como alas, auxiliados por Mazinho(direita) e Zinho(esquerda). Os dois voalntes(Dunga e Mauro Silva) jogavam centralizados. Bebeto era o atacante de movimentação e Romário o de referencia.

Tomara que esse novo esquema do Flamengo seja tão vitorioso quanto foi aquele na Seleção, mas isso só o tempo irá dizer...


Texto de Gustavo Roman... ( Maior colecionador de jogos na integra ).

Um comentário:

Blog Futbolleiros disse...

Roman, parabéns pelo trabalho...
Fantástico texto e as táticas muito boas...