domingo, 15 de maio de 2011

Santos sempre Santos,´Bicampeão Paulista 2011 - por Carlão Carbone

O Santos jogou bem, superou a maratona de jogos, a ausência de Ganso, soube ouvir e atender as orientações de seu treinador com uma equipe que joga coletivamente. Com todos esses méritos conquistou o bicampeonato paulista 2010-2011, seu 19º título. No placar agregado, 0x0 e 2x1, leva a taça, mas a comemoração fica para depois .Agora já é focar na Libertadores, com jogo decisivo contra o Once Caldas, quarta-feira no Pacaembu, onde joga pelo empate.

O Corinthians, que também teve méritos ao alcançar a final do Paulista, fica com o vice campeonato, expõe suas contestações e limitações. Do treinador à má-fase de alguns jogadores e com um banco limitado, fica no lado negro da força, afinal se tivesse vencido, estaria comemorando e não julgando os "culpados".
Vitória merecida de um time que jogou ofensivamente. Que além de jogadores "limitados", porém raçudos, tem também os que fazem a diferença. Apresentou maior volume de jogo e soube se defender quando foi atacado. Ao Corinthians faltou manter a bola no ataque e fazer a ligação meio campo-ataque, afinal a bola morria na entrada da área, nas sucessivas tentativas de cavar faltas.
O jogo começou quente, com as equipes mostrando que jogariam para frente e buscariam o gol. O Corinthians até melhor, porém quando o Santos encaixou seu jogo, foi mais incisivo. Perdeu chances, mas chegou ao gol. Um duro golpe no meio do primeiro tempo, que até o final correu atrás do Santos, e por falta de capricho não aumentou a vantagem.
Bruno César muito marcado, Liedson isolado, Alessandro preso, Dentinho sumido e Jorge Henrique pouco acionado mataram o Corinthians. No Santos, a marcação de Adriano, a precisão de Durval, as descidas de Léo, o bote certo de Arouca e o desafogo de Neymar, garantiram a fluência da bola.
No segundo tempo, o Corinthians veio mais organizado, com William no lugar de Dentinho, enquanto o Santos mais conciso e recuado deixando claro sua intenção de focar nos contra-ataques. O volume de jogo corinthiano aumentou, mas as finalizações eram mal trabalhadas. As subidas do Santos, rápidas e perigosas não logravam êxito, porém pôs a zaga corinthiana para correr.
Mas futebol é imprevisível. Justamente quando o Corinthians crescia no jogo e amadurecia seu gol, uma infelicidade de seu goleiro, numa bola escorregadia que estava em sua mão, escapou e foi ao gol em câmera lenta, ducha de água de fria, golpe que deixaria o time tonto, sem antes subir ao ataque e diminuir a vantagem com um chute de Morais que contou com ajuda do kick da bola e reflexo com delay do goleiro Rafael.
Com o placar de 2x1 faltando 8 minutos para o final, o jogo voltou a estar (quase) indefinido, mas o Santos soube jogar a la Muricy - retrancado e ao Corinthians, que não contou com a criatividade de seu meio campo e com a falta de bola nos atacantes, deixou o tempo e o título escoar. Fim de jogo e campeonato.
O Santos jogou com muita sobriedade por isso ganhou. O Corinthians tinha tudo para ganhar, mas pecou pela falta de estratégia. Se fizesse um gol poderia segurar o resultado, mas sabia que não poderia tomar primeiro.
Em um campeonato, que teve um regulamento exdrúxulo, os jogos finais mostraram que a rivalidade do futebol paulista continua forte e sadia e que “clássico é clássico e vice-e-versa”.
Exceto para o Santos, que bicampeão paulista segue na Libertadores, Corinthians, Palmeiras e São Paulo terão uma semana infernal (vice campeonato e eliminações na Copa do Brasil), que venha o Brasileirão 2011. Segue o jogo, vida que segue.



Abraço!

CARLÃO CARBONE

www.youtube.com/carlaocarbone

2 comentários:

Adriano C. Tardoque disse...

Grande Carbone!
Abração para você e a torcida do Santos!

Bibiana Moreno disse...

Falou e disse...

Você só foi delicado ao chamar o regulamento de exdrúxulo. A palavra, pra mim é mais grosseira mesmo... TOSCO!

Mega parabéns ao Santos e que chorem seus rivais!

Como fiel gambá, minha alegria foi ver mais gente na m****!!! Principalmente sendo São Paulo e Palmeiras!